Eram 7h20 no horário local de 9 de novembro de 1872 na cidade de Boston, Estados Unidos, quando o porão de um armazém na rua 83-87 repentinamente começou a queimar, as chamas se espalhando a uma velocidade demoníaca nos edifícios adjacentes . Após 12 horas, o corpo de ajuda finalmente conseguiu controlar o fogo; porém, já havia consumido cerca de 26 hectares da cidade.

Embora não tenha sido tão grande quanto o incêndio em Chicago do ano anterior, ou o incêndio que terminou em São Francisco cerca de 3 décadas depois, o incêndio em Boston foi provavelmente o mais caro em termos de danos à propriedade privada na América. Isso porque o incêndio teve origem no centro da cidade, onde ficava o distrito financeiro, fazendo com que milhares de bostonianos perdessem seus locais de trabalho e centenas de negócios fossem destruídos. Foi tão caro que dezenas de seguradoras faliram tentando cobrir os danos. 776 edifícios e grande parte do distrito financeiro foram destruídos, causando US $ 73,5 milhões em danos (equivalente a US $ 1,358 bilhão em 2018). A destruição dos edifícios foi avaliada em $ 13,5 milhões e a perda de bens pessoais foi avaliada em $ 60 milhões na época. Apesar dessas devastações, apenas treze pessoas morreram no inferno, incluindo dois bombeiros de Boston.

Infelizmente, houve uma série de erros humanos que fizeram com que este fogo adquirisse as dimensões infernais que atingiu. O corpo de bombeiros da cidade estava sobrecarregado, os alarmes de incêndio bloqueados (para evitar alarmes falsos), a pressão da água estava muito baixa naquela época e os extintores não eram mantidos adequadamente. O resultado desta cadeia de erros somou 65 hectares no centro da cidade de Boston, 776 edifícios destruídos causando um dano avaliado em 73,5 milhões de dólares e 30 mortos.

As principais causas da catástrofe se deveram ao fato dos edifícios serem de má qualidade, além do fato de o material da cobertura da época ser terrivelmente inflamável, o que atiçou as chamas e causou sua expansão. Além disso, os canos de combate a incêndio eram de baixa pressão, o que limitava sua capacidade de abafar o fogo.

Em 1872, não havia um código de construção estritamente aplicado em Boston. As ruas eram estreitas e os edifícios próximos. Muitos dos edifícios eram muito altos para que as escadas de incêndio alcançassem os níveis superiores e a pressão das mangueiras de incêndio era insuficiente para extinguir as chamas nos telhados dos edifícios. Portanto, o fogo se espalhou de telhado em telhado e por ruas estreitas. Muitos dos edifícios afetados eram feitos de tijolo e pedra, mas com uma estrutura de madeira altamente inflamável.

Em 1852, Boston se tornou a primeira cidade do mundo a instalar centros de alarme contra incêndio baseados no telégrafo conectados ao corpo de bombeiros e, por meio de um sistema de coordenadas, os bombeiros foram enviados ao local correto.

John Damrell, engenheiro-chefe do corpo de bombeiros de Boston na época, disse aos oficiais de Boston que a infraestrutura de água existente era insuficiente. Ele foi instruído a não «ampliar as necessidades de seu departamento» depois de solicitar fundos para reparos na infraestrutura de água. As adutoras existentes eram velhas e com vazamentos, tornando a pressão nas tubulações inaceitável. A falta de pressão era tão forte que os canos não conseguiam produzir força suficiente para atingir os andares superiores e telhados dos edifícios mais novos. O número de hidrantes em toda a cidade era insuficiente para cobrir adequadamente os edifícios circundantes. Conforme a propagação do fogo aumentava, os bombeiros lutavam para encontrar hidrantes com pressão adequada de água. Além disso, os acoplamentos de hidrantes não foram padronizados em Boston, tornando mais difícil para os bombeiros conectar suas mangueiras e equipamentos relacionados.

Os cavalos foram usados ​​pelo Corpo de Bombeiros de Boston para puxar caminhões de bombeiros, mangueiras e escadas. Na época do incêndio, no início de novembro de 1872, o nordeste dos Estados Unidos estava passando por uma epizootia de gripe que afetava e debilitava cavalos. Após o incêndio, a comissão municipal encarregada de investigar o incêndio concluiu que o tempo de resposta do corpo de bombeiros foi atrasado apenas alguns minutos devido à ausência dos cavalos.

Para piorar a situação, as linhas de gás não estavam devidamente conectadas, fazendo com que algumas explodissem e espalhassem o caos em outras partes da cidade americana.

O brilho do fogo foi notado nos registros dos navios por marinheiros da costa do estado do Maine.

Após o incêndio, um comitê formado por cidadãos pediu que Boston reestruturasse o layout das ruas nas áreas danificadas. As autoridades de Boston aprovaram esta proposta e muitas ruas do centro foram refeitas para serem mais largas e retas.