De acordo com os próprios relatos dos romanos, completados pelo famoso cálculo de Grotenfeld, coletado por Koestermann, após 418 anos, 418 meses e 418 dias após a invasão de Roma pelos gauleses, outro grande desastre ocorreu na capital do Império, descrito por Tácito como «o mais sério e atroz dos produzidos pela violência do fogo».

Uma noite em julho de 64 DC. C. um incêndio atroz foi declarado na área do Circus Maximus, em Roma. O vento espalhou rapidamente as chamas, semeando o terror entre a população. Após seis dias intermináveis ​​de devastação implacável, uma área aberta foi construída perto do Monte Esquilino para servir como corta-fogo. Em seguida, eclodiu um segundo incêndio, cujo foco estava localizado no bairro Emiliano, em uma propriedade de Ofonio Tigelino, prefeito do pretório e braço direito de Nero. O vento, que vinha do sul e sudoeste, fez com que o fogo se alastrasse para o norte e noroeste da cidade, espalhando-se pelo Fórum Boario, Monte Célio, Monte Palatino e Via Triunfal, e daí desceu ao Vale do Mucio, em direção ao morro Velia e para onde o anfiteatro Flaviano, Monte Fagutal e Monte Oppio mais tarde se estabeleceriam.

A precipitação de uns, a confusão de outros e o pânico e terror de todos provocaram engarrafamentos e aglomerações, agravando situações perigosas e provocando novos infortúnios ao incêndio: Além disso, os lamentos das mulheres apavoradas, a incapacidade dos velhos e da inexperiência das crianças, e tanto dos que cuidavam de si como dos que cuidavam de outros arrastando ou guardando os menos aptos, uns com o atraso, outros com a pressa, causaram um engarrafamento geral.

O incêndio arruinou a cidade e deixou um rastro de suspeitas, que recaiu sobre o soberano, Nero, e sobre os culpados por ele apontados: os cristãos. Este desastre continua a ser, até hoje, um dos episódios mais conhecidos da Roma Imperial. Também é difícil fornecer uma lista mais detalhada dos monumentos queimados e reduzidos pelo fogo. A maioria deles eram os templos mais antigos de Roma, consagrados na época dos reis ou construídos após as guerras púnicas ou o saque dos gauleses. Outros edifícios dos quais sabemos que são antigos podem ser adicionados

existência. Por estarem tradicionalmente localizados nos bairros mais atingidos pelo incêndio, os antigos fóruns, o Templo de Apolo Palatino, o antigo teatro Marcelo e o Palácio de Tibério também seriam destruídos.

Muito mais difíceis de calcular são as perdas relacionadas a casas particulares, construídas com materiais frágeis e facilmente inflamáveis, formadas nas ruas estreitas e sinuosas dos bairros mais antigos e estavam localizadas a sudoeste do Palatino; o templo de Júpiter Estator (Estator = aquele que pára) estava localizado ao norte do Palatino, na área que o Arco de Tito levantaria posteriormente. De acordo com a tradição, veio de uma oferta de Cheekbone a Júpiter por sua ajuda em sua luta contra os sabinos. Estudos posteriores mostraram que este templo foi construído em 294 AC; a “Regia Numae”, sede oficial do Pontifex Maximus, e o templo de Vesta estavam localizados no Fórum Romano.

Tanto os contemporâneos quanto os historiadores posteriores culparam o próprio imperador, que eles apresentaram cantando com sua lira enquanto ele contemplava em êxtase o poder devorador das chamas. Na época do incêndio, Nero estava à frente do Império havia dez anos. Em seu primeiro estágio de governo, foi um exemplo de respeito pelas tradições políticas romanas, mas começou a se inclinar para uma forma despótica de governo.

O episódio que deu origem a esse declínio foi o assassinato da própria mãe, Agripina. Não há dúvida de que o incêndio, acidental ou intencional, foi para Nero sua grande oportunidade de continuar promovendo uma política orientalizante, já que praticava uma política cada vez mais personalista e populista. Nero não conseguiu dissipar as suspeitas de que tinha sido o causador do incêndio. Era preciso procurar com urgência um culpado e para isso recorreu a uma das minorias religiosas então denominadas «seitas», a dos cristãos ou seguidores de Cristo.

São várias as referências que chegaram até nós de autores antigos, mas sua contribuição, além de escassa, oferece dados incertos e, mesmo, muitas vezes não há concordância entre eles em questões tão importantes como a causa do incêndio, sua duração ou suas perdas.

O incêndio de Roma no ano 64 trouxe consigo consequências importantes e significativas que foram decisivas na história posterior de Roma.